Como não sofrer com a formatação de documentos

Caderno, livro, comunicação, conversa, amora consultoria linguística

Se você vai publicar um artigo, escrever uma dissertação ou mesmo elaborar um documento no seu trabalho, com certeza vai seguir algumas regras de publicação. Elas podem ser ditadas pelo corpo editorial de uma revista (as “diretrizes para autores”), determinadas por um órgão de normalização (como a ABNT) ou até mesmo regidas por algum documento técnico da entidade onde você trabalha (por exemplo, manuais de redação). Seja como for, a formatação de documentos pode ser um problema pra muita gente. Mas será que é possível tornar esse processo menos chato? Felizmente, sim!

Comece com o pé direito

Em vez de escrever livremente seu texto em um bloco de notas, como se fosse um rascunho, comece a trabalhar em um arquivo previamente formatado. Isso é bastante simples e poupa tempo! Quais são as especificações de configuração da folha de papel? Quais as medidas das margens? Qual fonte você deve usar? Qual é o tamanho da fonte? E o espaçamento entre as linhas? Como é configurada a numeração das páginas? Como é feita a organização das seções do documento? Não deixe tudo isso para o final… já comece a escrever o seu texto em um arquivo pré-formatado.

Do macro para o micro

Ok, mas e se você já começou a escrever o seu texto? Nesse caso, é bom ter uma estratégia para formatá-lo. A formatação envolve aspectos macroestruturais, citados acima, que são bem gerais, como a configuração da folha de papel, por exemplo, ou do espaçamento entre linhas… Mas não podemos esquecer dos detalhes, os aspectos microestruturais. Como citar autores? Como destacar as citações diretas? Como são configuradas as notas de rodapé? Como devem ser escritas as legendas de figuras e gráficos? Como destacar palavras estrangeiras? Enfim, essas são questões bem mais específicas. O ideal é partir do macro para o micro. Primeiro, cuide das questões maiores e mais gerais. Depois, dê atenção aos detalhes.

Não deixe a bibliografia para o final

Formatar uma lista de referências bibliográficas pode ser muito trabalhoso. O jeito mais fácil de não sofrer nessa etapa é manter uma lista precisa de todas as obras que você consultou. Ao citar um autor, anote todos os dados relevantes (autoria, obra, ano, página). Ao visitar um site, anote a URL. Mantenha, ao final do documento, uma lista alfabética dos autores citados. Ainda que ela não esteja perfeitamente formatada, é importante não perder de vista os dados essenciais das referências consultadas. Explore ferramentas que podem te ajudar a gerenciar suas referências, como o Zotero. Assim, você não vai se desesperar ao tentar recuperá-las.