Identidade verbal: como acertar o tom de voz

arquétipos e identidade verbal

Como a sua marca pediria alguém em casamento? Que nome daria para uma filha? E como se comportaria ao devolver um prato em um restaurante? Tom Sepanski, especialista em identidade verbal, propõe essas duas perguntas básicas como um exercício para quem quer testar se realmente conhece a própria marca.

Ele explica que todas as palavras associadas a uma marca, desde nomes de produtos até tweets, fazem parte da sua identidade verbal (leia o nosso texto sobre o tema aqui). Ela engloba não só o que a sua marca fala, mas como ela fala. Atualmente, empresas bem estabelecidas dedicam atenção tanto aos seus elementos visuais quanto aos seus elementos verbais na busca por uma identidade íntegra e consistente.

O planejamento da identidade verbal tem sido levado cada vez mais a sério. Uma forma produtiva de conduzir esse trabalho é a partir do estudo de figuras arquetípicas. Por exemplo, se a sua marca assume uma personalidade rebelde, como ela anunciaria um novo produto? Ou como ela responderia à crítica de um cliente insatisfeito? O que faz sentido para a sua marca dizer e o que soa totalmente inadequado?

Há muitos canais e oportunidades de diálogo. Uma comunicação clara e eficiente não será conquistada por quem falar mais ou mais alto, mas por quem conseguir, de fato, acertar o tom.